Debates sobre divulgação científica e novos acordos abrem Fórum CONFAP em Goiânia

A solenidade de abertura do Fórum CONFAP, realizada no Palácio das Esmeraldas, em Goiânia, no dia 8 de novembro, teve como principais atos as assinaturas de dois documentos, um de âmbito internacional e outro nacional. Foram assinados o 1º Adendo ao Memorando de Entendimento entre o Governo do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, referente ao Fundo Newton e o CONFAP (Parceria de Pesquisa e Inovação Reino Unido-Brasil),  e o Protocolo de Intenções do Programa Centelha – Programa Nacional de Apoio à Geração de Empreendedorismo. Esse último foi inspirado em iniciativas regionais como o Sinapse da Inovação, da FAPESC (Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina). A Fundação catarinense esteve representada no fórum pelo presidente Sergio Gargioni e a coordenadora de Comunicação, Heloisa Dallanhol.

Tambem no dia 8, Goiânia sediou o Encontro Nacional de Comunicação da Ciência, que resultou em diretrizes para ações de divulgação das FAPs e do CONFAP como um todo. Com larga trajetória de divulgação científica, Ildeu de Castro Moreira, presidente da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), defendeu o fortalecimento do papel da ciência junto à sociedade, especialmente neste momento de cortes drásticos no orçamento do MCTIC (Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações). Ele citou sondagens publicadas em setembro na revista Nature, em que os investimentos brasileiros em CTI foram reduzidos a 20 milhões de dólares ao ano, enquanto os Estados Unidos, por exemplo, aplicam 364 milhões no mesmo período, e a Coreia do Sul, 74 milhões. Desde 2011, o país vem caindo no ranking global da inovação, e hoje ocupa a 69 posição (dados do Global Innovation Index 2016). “Está todo mundo subindo no ranking e o Brasil baixou investimentos para menos de 1% do PIB, e o PIB caiu nos últimos anos, penalizando duplamente a ciência brasileira”, disse o físico Ildeu Moreira.

No encontro, Vanessa Oliveira Fagundes, coordenadora de Comunicação da FAPEMIG, falou sobre o interesse das pessoas sobre CTI e distribuiu exemplares de um livro que ajudou a organizar, Os Mineiros e a Ciência, financiado pela Fundação Mineira Tendências do jornalismo e da difusão científica em ambientes digitais foram apresentadas por Lorena Tárcia, coordenadora do Laboratório de Convergência de Mídias da UniBH.

Claudia Izique, gerente adjunta de Comunicação da FAPESP, abordou os desafios de ampliar os canais de divulgação de informações científicas  e o Encontro Nacional foi encerrada com um plano de ação a ser apresentado aos membros do CONFAP no dia 10 de novembro, quando termina o fórum. Confira a programação completa do fórum neste link.

 

Fonte: Coordenadoria de Comunicação da FAPESC

Fotos: Rogerio Porto