Drone aquático e outras inovações serão expostos na EXPO Tecnova

Um aparelho auditivo voltado ao público de baixa renda,  um composto plástico capaz de aumentar a durabilidade de alimentos,  e um drone aquático que faz tarefas difíceis para seres humanos foram produzidos com recursos estaduais e federais. Esses e outros resultados dos investimentos no âmbito do Programa Tecnova estarão numa exposição de produtos, processos e serviços no dia 17 de maio, às 14hs, na Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc).

A EXPO Tecnova integra a programação do último evento de uma série de seis promovidos em diversos municípios catarinenses para mostrar à sociedade o que foi feito com recursos públicos a 53 micro e pequenas empresas. Por exemplo, estará em exposição um aparelho auditivo com tecnologia nacional, para ser disponibilizado por meio do SUS (Sistema Único de Saúde). “Até onde sei, é o o único que usa tecnologia nacional tanto no hardware quanto no software”, explicou Alexandre Ferreira, Diretor do Tecnologia da WaveTech Soluções Tecnológicas, empresa que recebeu R$600 mil do programa Tecnova para desenvolver partes do equipamento.

Outro case de sucesso é um processo voltado a desacelerar a degradação de frutas, por meio da nanotecnologia. O aditivo Nanoativo se mostrou eficaz não só na conservação de alimentos em ambientes industriais, como também em geladeiras de uso doméstico. Por trás da novidade está a empresa Nanoativa, de Florianópolis, que nasceu em 2012 com auxílio financeiro do Sinapse da Inovação, da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc). Em seguida o Tecnova – também operado pela Fundação – proporcionou o que faltava para a consolidação da empresa e o aumento de sua competitividade.

Ambos os programas, Sinapse e Tecnova, contribuíram para o desenvolvimento de várias versões de drones aquáticos que se enquadram na categoria VANTNA (Veículo Aquático Não-Tripulado de Navegação Autônoma).  “Há muitas demandas que sequer imaginávamos, entre elas as da Agência Nacional da Água e das empresas que prestam serviços a ela”, disse o engenheiro Roberto Böell Vaz. Os barcos e drones carregam equipamentos capazes de mapear a topografia subaquática e executar outras tarefas sem condutores, seja para identificar poluentes ou verificar a vazão de rios. Tarefas diversas já foram executadas pelas embarcações em locais tão distantes quanto o Lago Paranoá, em Brasília, e a Bahia da Guanabara, no Rio de Janeiro – sem esquecer que as inovações serviram para localizar estacas submersas sob a Ponte Hercílio Luz, na capital catarinense.

Lançamentos

“O Tecnova é mais um exemplo do cumprimento da missão da Fapesc ao viabilizar o aporte de recursos do Estado de Santa Catarina em empresas catarinenses, gerando soluções de problemas e inovação para a sociedade catarinense”, disse Fábio Zabot Holthausen, presidente da Fapesc. Ele e o titular da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável, Lucas Esmeraldino, abrirão o evento. “Inovar é evoluir, buscar soluções com o uso da tecnologia e que tragam resultados e melhorias para a sociedade. Por isso, a SDS apoia e incentiva a inovação em todas as esferas”, destacou o secretário.

O evento terá ainda pitches de empresários e anúncios de novas chamadas públicas a serem lançadas pela Fapesc e Financiadora de Pesquisa e Inovação (Finep): o Centelha, programa federal de fomento ao empreendedorismo inovador inspirado no Sinapse da Inovação, da Fapesc; e o Tecnova 2, que dará continuidade aos esforços de aumentar a competitividade do setor produtivo. O primeiro edital deste programa de apoio à inovação rendeu aproximadamente R$ 23 milhões às empresas selecionadas – em média R$ 430 mil para cada –, graças à parceria Fapesc-Finep.

Exemplos por mesorregião

A Voxter Soluções em Manutenção Industrial, sediada na região Norte do Estado, construiu um elevador versátil para transferência de pessoas com deficiência física. No oeste catarinense, a PSQ Máquinas industriais fabricou equipamento para aplicar lacre em embutidos na indústria frigorífica. A Dualbase Tecnologia Eletrônica, uma das representantes da Grande Florianópolis, desenvolveu um sistema para monitoramento ambiental e geológico através de sensores inovadores. A Vinícola Abreu Garcia, na Serra Catarinense, criou novos espumantes mediante processos inovadores.  A Leripio Consultoria em Gestão e Sustentabilidade, no Vale do Itajaí, gerou um sistema de qualificação de gestores, operadores e fornecedores da alimentação escolar. E na região Sul, a Tauens, anteriormente chamada Austen Farmacêutica, fez um medicamento fitoterápico inovador para o tratamento de infecções que está em fase de aprovação por parte da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Fonte: Coordenadoria de Comunicação da FAPESC