FAPESC publica relatório de gestão 2015-2018

Cerca de 500 eventos científicos apoiados nos últimos 4 anos, quase 300 empresas apoiadas nos programas Sinapse da Inovação e TECNOVA, e mais de 600 cotas de bolsas de mestrado e doutorado distribuídas em duas chamadas. Essas são algumas das informações que a FAPESC (Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do estado de Santa Catarina) reuniu no relatório de gestão, que compreende o período de 2015 a 2018. O documento está disponível neste link.

Um dos destaques do período foram as chamadas lançadas em parceria entre a FAPESC e Instituições de Ensino Superior, que desburocratizaram o acesso dos pesquisadores aos recursos públicos, agora repassados por meio de termos de outorga. Tiveram chamadas operacionalizadas pela FAPESC a UDESC (Universidade do Estado de Santa Catarina), a UFFS (Universidade Federal da Fronteira Sul), campus Chapecó, o IFSC (Instituto Federal de Santa Catarina) e o Sistema ACAFE.

Outras ações lembradas foram projetos apoiados de áreas estratégicas, como a Rede Guarani/Serra-Geral, que há 14 anos produz conhecimento sobra a gestão integrada e sustentável das águas superficiais e subterrâneas do estado, além do Inventário Florístico-Florestal, que completou 11 anos em 2018, o Observatório de Mobilidade Urbana e o Programa de Valorização do Carvão Mineral, que tem foco na mitigação das emissões de gases de efeito estufa.

Na retrospectiva, a equipe também deu destaque ao trabalho do ex-presidente Sergio Gargioni, que esteve à frente da FAPESC até setembro de 2018, desde a gestão anterior, em 2011. Durante parte desse período, de 2013 a 2016, ele também presidiu o CONFAP (Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa). Sua saída deu lugar a Gilberto Agnolin, que ocupava o cargo de Diretor de Pesquisa em Ciências Agrárias e Meio Ambiente. Agnolin é professor titular da Unochapecó e foi reitor da universidade de 2002 a 2008, além de ter exercido diversos cargos na administração pública.

Fonte: Coordenadoria de Comunicação da FAPESC