Parceria de Santa Catarina com Alemanha gera projetos na área de fotônicos

Cinco empresas catarinenses participam do Programa de Cooperação Santa Catarina & Berlim, lançado pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado (Fapesc) em 2018 e, nesta quarta-feira, dia 27, cada uma delas teve a oportunidade de apresentar o andamento dos projetos, que têm em comum a fotônica. Mas as temáticas são diferenciadas como a detecção do Ozônio, a percepção rápida da Salmonella, bioimpressão na área da saúde, impressão na área têxtil e tratamento de efluentes.

A Cooperação Santa Catarina & Alemanha tem dois enfoques específicos: incentivar uma metodologia balizadora de processos entre dois ecossistemas tecnológicos especializados que possam promover a inovação de produtos e processos para o mercado mundial. O outro é referenciar os procedimentos no Acordo entre Santa Catarina e Berlim para a inovação em Fotônica.

A apresentação desta quarta-feira serviu para que os coordenadores das propostas expusessem o andamento dos trabalhos de pesquisa. O presidente da Fapesc, Fábio Zabot Holthausen, enfatizou que esse tipo de ação será cada vez mais frequente e incluindo outros editais lançados pela fundação. O diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação, Amauri Bogo, destacou que a Fapesc além de uma agência de fomentos tem o papel de integrar o ecossistema e fazer com que os projetos apoiados sejam autossustentáveis.

A apresentação da parceria entre Santa Catarina e a Alemanha foi feita pelo representante da Fundação CERTI, Manoel Steidle. Ao longo do processo de lançamento do edital, 101 empresas participaram dos workshops, 20 submeteram suas propostas e cinco foram selecionadas. O programa envolveu missões e interações, capacitação e estágios, softlanding com a possibilidade de empresas alemãs investirem no Brasil e vice e versa, e, por último, os projetos de Inovação Tipo 2 +2.

Conheça as cinco empresas participantes:

– Duo Laser Máquinas LTDA (Florianópolis/São José)

Projeto: Mini espectrômetro para medição de atividade biológica in-situ durante processo de bioimpressão.

A Duo Laser é uma empresa especializada em tecnologia Laser. Atua com Metrologia, Técnicas Gerais de Laboratório, Sistema de Instrumentação. Possui máquinas de gravação a laser e desenvolvem tecnologia de Bioimpressão em 3D. No projeto, buscou por tecnologia de espectrometria para monitoramento de células vivas no processo de impressão. Teve como parceira na Alemanha, a empresa Raab Photonics especializada em espectrometria, sediada em Berlim.

Com o projeto foi desenvolvido protótipo de uma bioimpressora para fabricação de peças por meio da manufatura aditiva com o uso de nanobiomateriais com o propósito de expandir a tecnologia de manufatura aditiva a setores de pesquisa aplicada no Brasil com um produto de tecnologia nacional.

O trabalho na criação de técnicas de bioimpressão 3D, bem como a bioimpressão de órgãos e tecidos humanos, é uma das tendências mais modernas da bioengenharia e medicina. Teve parceria do Instituto SENAI de Tecnologia em Manufatura. O protótipo foi validado pelo LabNano da EMBRAPA.

– Etax Indústria de Etiquetas e Rótulos LTDA (São Bento do Sul)

Projeto: Nova linha de produtos baseada na tecnologia de OLED por meio de eletrônica impressa.

A Etax é uma empresa que trabalha na área de Engenharia do Produto, com tecnologia de eletrolumicnescência. Desenvolveu tecnologia para impressão com tinta eletroluminescente. Trabalhou em parceria com a empresa Inoru, que possui alta tecnologia de impressão de display luminescente.

Desenvolvido um novo produto, pronto para comercializar. A tecnologia de impressão de Oleds por inkjet (jato de tinta) em embalagens foi escolhida para viabilizar a aplicação de displays luminescentes em embalagens e substituir o eletroluminescente de alto custo.

A empresa alemã foi escolhida pois detém a tecnologia de impressão de Oled por inkjet, que tem relação com tecnologias da empresa brasileira. De forma sinérgica, a empresa alemã vem trabalhando com a Etax há dois anos para viabilizar esta parceria tecnológica.

– Kemia Tratamento de Efluentes LTDA (Chapecó)

Projeto: Sistema ótico de detecção e de controle de amônia em reatores eletrolíticos para o tratamento de efluentes.

A Kêmia atua no setor de Operações Industriais e Equipamentos para Engenharia Química. Empresa especializada no setor de tratamento de água e efluentes. Buscou desenvolver um sistema automatizado de reator, com a parceria da empresa alemã JP ProteQ, especializada em espectrometria e sensores de monitoramento de gases. 

No projeto, foi desenvolvido um sistema de detecção e controle de amônia presente em efluentes industriais, com potencial aplicação na automação de reatores eletrolíticos de nova geração especializados no tratamento de efluentes líquidos por processo eletroquímico.

A inovação pretendida trará como diferencial e vantagem o controle dos parâmetros do reator eletrolítico com vistas a remoção da amônia do efluente de forma automática.

– TNS Nanotecnologia LTDA (Florianópolis)

Projeto: Desenvolvimento de solução fotônica para detecção rápida de Salmonella utilizando kit a base de nanopartículas de ouro e aptâmeros.

A TNS é uma empresa de tecnologias químicas atuante em diversos mercados. O objetivo do projeto foi desenvolver um sistema de detecção de patógenos na indústria de alimentos usando fotônica. Baseia-se no uso de aptâmetros e espectrometria, em parceria com a empresa alemã Meinsterwerk, com grande expertise nesse segmento, bem como a EV Biotech, na Holanda.

No projeto, batizado como “Revella”, desenvolveu uma solução fotônica para detecção rápida de Salmonella utilizando um kit nanbiotecnológico a base de nanopartículas de ouro e aptâmetros. Com isso, a TNS conseguiu ampliar o mercado entrando na Alemanha e outros países europeus.

– Wier Tecnologia LTDA (Florianópolis)

Projeto: Inovador Espectrofotômetro Ultravioleta para Quantificação de Ozônio em Fase Gasosa.

A WIER é uma empresa especializada na purificação de água e ar com tecnologia a plasma frio para a produção de ozônio. No projeto, buscou aperfeiçoar a sua tecnologia com um sistema de medição para a produção de ozônio com a utilização de luz UV e espectrômetros.

A empresa alemã SGLux, especializada em emissora de UV e espectrômetros para este comprimento de onda, foi parceira no projeto. Depois de reuniões, testes, calibrações, chegou-se ao resultado entregável do projeto que é um analisador de ozônio em fase gasosa com tecnologia ultravioleta em fase prototipal, que está sendo disponibilizado ao mercado.

O que é Fotônica

Fotônica é o campo da ciência dedicada a estudar a luz (fóton), sua geração, detecção e manipulação da emissão, transmissão, modulagem, processamento de sinal, amplificação e sensoriamento. A despeito da Fotônica servir de base para todas as aplicações tecnológicas envolvendo a luz, a maior parte das aplicações tecnológicas envolve a radiação eletromagnética com frequência na região do visível e infravermelho. Os primeiros dispositivos desenvolvidos baseados nos princípios da Fotônica foram os semicondutores/diodos emissores de luz (eletroluminescência) na década de 1960 e o desenvolvimento da fibra óptica (reflexão da luz) na década de 1970. (Fonte: MCTIC)