Presidente da FAPESC prestigia posse do presidente do CNPq

O Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, empossou o novo presidente do CNPq, João Luiz Filgueiras de Azevedo, numa cerimônia realizada em Brasília, nesta sexta-feira (22/02). A solenidade reuniu autoridades das áreas de Ciência, Tecnologia e Inovação, entre elas Fábio Zabot Holthausen, presidente da FAPESC (Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina).

“Solicitei apoio do CNPq para a implantação dos Centros de Inovação em Santa Catarina, com a disponibilização de bolsas para impulsionar o desenvolvimento do ecossistema de inovação,” disse Holthausen, advogado e professor licenciado da Unisul (Universidade do Sul de Santa Catarina).

Ele salientou que os 13 centros previstos para operar no território catarinense funcionarão bem se contarem com ecossistemas de inovação das respectivas regiões, motivo pelo qual vem buscando recursos para organizá-los.

“O apoio do CNPq às FAPs é essencial para a capilarizacao da Ciência, Pesquisa e Inovação. Cada vez mais precisamos integrar o apoio do governo com as necessidades da sociedade e setor produtivo e a capacidade de nossos pesquisadores e instituições”, acrescentou, após conversar com o novo presidente do CNPq.

João Luiz Filgueiras de Azevedo é pesquisador em Engenharia Aeroespacial e Aeronáutica e bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq, a modalidade de mais alto nível da instituição. Atuou como membro do Comitê de Assessoramento de Engenharias Mecânica, Naval e Oceânica e Aeroespacial do CNPq. Também é pesquisador titular do Instituto de Aeronáutica e Espaço do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial da Força Aérea Brasileira e professor colaborador do Instituto Tecnológico de Aeronáutica.

Graduou-se em Engenharia Aeronáutica pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) em 1981, concluiu mestrado (1983) e doutorado (1988) em Engenharia Aeronáutica e Astronáutica, na Stanford University, nos Estados Unidos

Desafios

“A pesquisa de base é fundamental. Não há inovação sem pesquisa prévia que gere o conhecimento necessário”, salientou Azevedo, que se revelou preocupado com a limitação orçamentária e a redução de pessoal no CNPq. “A cada dia temos que fazer mais com menos pessoas. As áreas técnicas e administrativas estão estressadas no limite e é urgente recompor o quadro de funcionários”, disse.

 

 

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, reconhece a pesquisa básica como essencial, mas não crê que ela receba grandes investimentos em 2019. “Nos últimos anos viemos perdendo prestígio e orçamento. E a gente vai passar um ano difícil”, ponderou. “Mas não será só o Ministério ou o CNPq, e temos o desafio de financiar, de maneira mais eficiente, nossos projetos.”

Assista à solenidade de posse em https://www.facebook.com/MCTIC/videos/2024107781215739/

Fonte: Coordenadoria de Comunicação da FAPESC