Professores da Engenharia Mecânica da UFSC apresentam pleitos a ministro

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Gilberto Kassab, participou, no dia 24 de abril, de reunião extraordinária do colegiado do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade Federal de Santa Catarina (EMC/CTC/UFSC). Durante a reunião, conheceu os projetos do departamento e teve a oportunidade de ouvir perguntas e sugestões dos professores e pesquisadores da Universidade.

Estiveram presentes autoridades como o reitor pro tempore e eleito da UFSC, Ubaldo Cesar Balthazar; o ex-reitor da UFSC e secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do MCTIC, Álvaro Prata; o pró-reitor de Pesquisa, Sebastião Soares; o diretor do Centro Tecnológico (CTC), Edson De Pieri; o atual chefe do Departamento de Engenharia Mecânica (EMC), Lauro Nicolazzi; e o presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc), professor Sergio Luiz Gargioni, eleito recentemente para ser o novo chefe do EMC.

A reunião começou com a apresentação do departamento, seu histórico, números, laboratórios, e seu planejamento estratégico, feita pelo professor Amir Antonio Martins Oliveira Jr. Ao final da apresentação, o professor realizou a seguinte pergunta, que daria o tom da reunião: “como podemos [o EMC] trabalhar com o MCTIC em prol das ações e políticas planejadas para os próximos anos?”.

Com o microfone aberto para a participação dos professores, muitos se pronunciaram com ideias e solicitações. O professor Daniel Martins foi um dos presentes que falou sobre a necessidade de atenção para os desafios da propriedade intelectual, e sobre um aproveitamento mais eficiente de recursos já alocados em investimentos em inovação. O professor Walter Lindolfo Weingaertner falou da necessidade de alocar recursos para manutenção de equipamentos. Já o diretor do CTC, Edson De Pieri, ressaltou a vocação do departamento em incentivar a inovação e empreendedorismo. A atuação da Embrapii na UFSC foi lembrada pelo professor Carlos Alberto Schneider, que também falou do perfil dos estudantes que se formam no departamento para depois montar start ups e grandes empresas bem-sucedidas.

Sebastião Soares falou sobre a necessidade de continuidade de uma atenção do governo federal com o CT-INFRA, o fundo de infraestrutura criado pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) para viabilizar a modernização e ampliação da infraestrutura de pesquisa das instituições brasileiras. Soares ressaltou que o fundo já investiu cerca de R$ 80 milhões na UFSC e espera que ele possa ser ampliado e permanecer como foco do governo federal.

Sergio Luiz Gargioni, Gilberto Kassab, Ubaldo Balthazar, Lauro Nicolazzi; e Álvaro Prata.

Foto: Andrei Krepsky/Agecom/UFSC.

O ministro também foi questionado a respeito do pagamento dos recursos de projetos aprovados no CNPq, e disse que tem uma boa notícia. “Estamos na iminência de assinar um contrato com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que será o maior financiamento da história do BID em ciência”, contou Kassab. Os recursos, segundo anunciou o ministro, são da ordem de US$ 1,5 bilhão. “Isso nos vai possibilitar uma reengenharia financeira, para alocar recursos para essas nossas prioridades, como o CNPq”, contou.

Álvaro Prata informou os presentes que o ministro Kassab já queria visitar o departamento há algum tempo, e foi possível encaixar essa participação nesta semana, quando Kassab tem outros compromissos em Santa Catarina. Prata enalteceu o trabalho do EMC com ensino e pesquisa e disse que o departamento “é uma célula ímpar do Brasil que vale a pena”. “A área de Ciência e Tecnologia segue com a sua direção bem definida. O país quer focar nas áreas de excelência, há um esforço muito grande de criar um fundo privado para atender os programas de excelência. É uma pauta muito grande, e o país avançou muito mas agora precisamos nos diferenciar, buscar competência e excelência em nível internacional e a área de engenharia mecânica é particularmente forte”, ressaltou Prata.

O reitor Ubaldo Balthazar considerou a visita, apesar de breve, muito importante. “É importantíssimo que o ministro responsável pela política maior de ciência e tecnologia do país conheça a nossa Engenharia Mecânica e possa valorizar, estimular, e nos dar a mão necessária para a aprovação e liberação de projetos. É algo inédito e muito importante para a Universidade”, pontuou.

Foto: Andrei Krepsky/Agecom/UFSC.

Kassab atribuiu sua presença na UFSC à necessidade de fortalecer vínculos, e “agradecer pelas parcerias atuais e renovar a disposição de novas parcerias” dentro da Ciência e Tecnologia. “É uma visita emblemática, para que o que se realiza aqui possa ter a visibilidade necessária no plano nacional. A UFSC e o departamento de Engenharia Mecânica são referência em suas realizações”, salientou.

O ministro falou da crise econômica e política que o país atravessa, em especial no que afeta a falta de recursos para a pesquisa e inovação. “Entendemos que nenhum país consegue superar uma crise se não investir na pesquisa e inovação. Por isso sustentamos esses pilares. Nosso trabalho é procurar atenuar a diminuição de recursos e mostrar a importância que tem a geração de recursos para novas pesquisas”.

O ministro elogiou a produção científica da UFSC: “vejo com bastante otimismo a produção na UFSC, sabemos que os recursos aqui  são bem investidos” e garantiu que mesmo com mudanças políticas prestes a acontecer com novas eleições para a Presidência da República, o MCTIC não deve mudar seu foco e projetos. “Independente das mudanças políticas, este é um ministério que eu diria, não é de governo, é de Estado. O MCTIC tem pouca interferência política, tem um quadro técnico robusto. Qualquer que seja o projeto, sempre tem que ter continuidade no nosso ministério”, reforçou.

Fonte: Mayra Cajueiro Warren/Jornalista da Agecom/UFSC

Foto: Célio Soares/MCTIC

Presidente da FAPESC, Sergio Gargioni, Professor Lauro Nicolazzi, ministro Gilberto Kassab e o secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento, Alvaro Prata, atrás da estátua do Prof. Caspar Erich Stemmer.