SDS apresenta relatório do Plano de Recursos Hídricos

A Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável entregou na semana passada o relatório síntese do Plano de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Itapocu, elaborado pela Unisul, com a parceria da Amvali e do Comitê Itapocu. O investimento de R$ 1,3 milhão foi obtido por meio do Fehidro – Fundo Estadual de Recursos Hídricos. O secretário Carlos Chiodini e os prefeitos de Jaraguá do Sul, Corupá, Massaranduba e São João do Itapocu, o secretário-regional Leonel Floriani, Sérgio Santini do Comitê Itapocu, lideranças da microrregião e o coordenador da Unisul, Celso Albuquerque, compuseram a mesa de trabalho.

Leonardo Porto Ferreira, da equipe multidisciplinar que participou da elaboração do Plano apresentou o documento que traz de forma sintetizada os principais resultados obtidos ao longo do desenvolvimento do Plano, como a caracterização da bacia, assim como os objetivos e ações futuras a serem executados para o adequado uso da água e o desenvolvimento sustentável da região hidrográfica, composta por 12 municípios.

O secretário Carlos Chiodini disse que o desenvolvimento do Plano faz parte da política do Governo do Estado, cuja finalidade é a de levantar a situação dos rios das bacias hidrográficas de Santa Catarina, produzindo e fornecendo dados para a elaboração de metas e ações futuras para o desenvolvimento sustentável de todas as regiões hidrográficas do Estado.

O prefeito Antídio Lunelli, como presidente da Amvali, também se manifestou, destacando a importância do Plano, que contém mapas e informações para o processo de gestão e tomada de decisões sobre o uso de recursos hídricos na Bacia do Itapocu.

O presidente do Comitê Itapocu, Sérgio Santini, citou que o Plano de Recursos Hídricos é resultado de muitas mãos. Ele destacou o apoio fundamental do deputado Carlos Chiodini enquanto secretário de Desenvolvimento Econômico Sustentável e dos recursos disponibilizados pela Fehidro, repassados pela Fapesc, para que o estudo pudesse ser produzido.

No entanto, advertiu que essa é uma parte. O desafio agora dependerá da capacidade de articulação da sociedade e dos envolvidos na gestão dos recursos hídricos com os agentes responsáveis pela execução das ações propostas. “Não tenho dúvidas de que é um marco para a comunidade da Bacia Hidrográfica do Rio Itapocu”, disse.

“O trabalho está apenas começando. Temos de preservar e conservar os recursos hídricos desta bacia para garantir o suprimento de água em quantidade e qualidade para esta e para as próximas gerações”, concluiu.

Elaborado pela Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), o projeto teve custo de R$ 1,3 milhão e foi desenvolvido em dois anos. A principal demanda hídrica apontada pelo plano é a irrigação para fins agrícolas, com 51,76%, em especial no cultivo do arroz irrigado. Em segundo lugar está a utilização para abastecimento público, com 23,76%, seguido pela aquicultura, com 12,16%. O plano aponta 26 ações a serem executadas em curto, médio e longo prazo. Em um primeiro momento, são necessários projetos de redução e perdas na distribuição de água para abastecimento, além da implantação de técnicas de aumento de eficiência do uso dos recursos na agricultura e obrigatoriedade do cadastro dos usuários de águas.

 

Fonte: Jornal do Vale do Itapocu e SDS