Termina sexta a consulta pública da ABNT sobre tema correlato a pesquisa financiada pela FAPESC

Encerra dia 17/02/2016 (sexta-feira) a consulta nacional do Projeto ABNT NBR 16584 – Galeria técnica pré-moldada em concreto para compartilhamento de infraestrutura e ordenamento do subsolo – Requisitos e métodos de ensaios. O projeto de norma aborda o ordenamento de subsolo e o compartilhamento de infraestrutura, também tema de pesquisa desenvolvida na UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) com apoio financeiro da FAPESC (Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina), denominado Sistema INFRAVIAS (www.infravias.com).

 

O problema do congestionamento do subsolo afeta o planeta todo, e a situação é pior em grandes metrópoles, gerando prejuízos econômicos, sociais, ambientais e de mobilidade urbana. Estudos no Reino Unido apontam um cenário caótico: são feitos mais de 4 milhões de buracos anualmente nas ruas Inglesas devido as obras de infraestrutura. Essas obras causam um prejuízo de 7 bilhões de libras anualmente, sendo 5,5 bilhões de libras em custos sociais e indiretos e 1,5 bilhão em custos diretos (http://www.mappingtheunderworld.ac.uk/).

Cano estourou em São Paulo e provocou transtornos (Foto: Marcos Bezerra/Futura Press)

 

“No Brasil o cenário é idêntico e se agrava com o modelo de implantação das redes de infraestrutura basicamente sob o asfalto, causando altos custos para a demolição e recomposição deste pavimento na implantação das redes, além de impactar fortemente na mobilidade urbana, interrompendo o transito quando da execução dos serviços”, disse o engenheiro Aloisio Pereira da Silva, da Superintendência de Desenvolvimento da Região Metropolitana da Grande Florianópolis.

Na Ilha de Santa Catarina, o Sapiens Parque conta com o projeto-piloto do “Sistema INFRAVIAS – Ruas Completas Sustentáveis”, com foco no transporte de pedestres, ciclovia e veículos, que incluem elementos de sustentabilidade ambiental, social e econômica, referentes ao planejamento e cadastro territorial, a integração entre infraestruturas subterrâneas e desenho urbano, desenvolvimento de programas socioambientais e ferramentas de segurança.

Este sistema subterrâneo substitui a construção individualizada de redes de gás natural, água potável, sistema de combate a incêndios, telefone, TV a cabo, dados, eletricidade – baixa e média tensão e sistemas de iluminação pública. Concentra todas essas redes em uma única vala na calçada, inserindo-as em uma calha feita plástico reciclado, projetada pelo conceito de “dispositivo à prova de falhas”.

“Iniciei a pesquisa referente ao tema em 2008, e em 2012 ingressei na UFSC para aprofundá-lo. Em 2015, a FAPESC se tornou a principal propulsora do projeto, que agora tem 19 parceiros. Um deles, a ABCP (Associação Brasileira de Cimento Portland) encabeçou a produção de uma norma voltada ao tema em 2016, por meio do Comitê Técnico ABNT/CB-18, mas voltado à produção de peças de concreto”, explica o pesquisador. “Assim, a norma em si não trata do nosso projeto e sim de parte do tema por ele estudado, que é o ordenamento do subsolo e compartilhamento de infraestrutura, inédito no Brasil.”

Consulta pública

Quando surge a necessidade da normalização de determinado tema, a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) encaminha o assunto ao Comitê Técnico responsável, para exposição aos diversos setores envolvidos. Uma vez elaborado o Projeto de Norma com o assunto solicitado, ele é então submetido à Consulta Nacional. Qualquer interessado pode se manifestar, sem qualquer ônus, a fim de recomendar à Comissão de Estudo autora a aprovação do texto como apresentado; a aprovação do texto com sugestões; ou sua não aprovação, devendo, para tal, apresentar as objeções técnicas que justifiquem sua manifestação.

Fonte: Coordenadoria de Comunicação da FAPESC