Com apoio da Fapesc, pesquisadores da Udesc Lages mapearão febre amarela em SC com auxílio da comunidade

Um projeto desenvolvido no Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) em Lages, visa identificar o material genético do vírus da febre amarela em mosquitos urbanos, em diferentes regiões catarinenses. 

A finalidade é a criação do programa “Mosquito na caixinha”, que pretende integrar a comunidade na pesquisa dos vetores responsáveis pela disseminação do vírus. Os pesquisadores estão em busca de material genético do vírus da febre amarela nos espécimes para criar um mapa da situação dos vetores no Estado. 

Uma das ações ocorreu, no início do mês, no município de Indaial. Alunos do sétimo ano de duas escolas da rede municipal participaram de um encontro com a mestranda Mariana Farias Brandão, que está desenvolvendo a pesquisa, orientada pelo professor Luiz Claudio Miletti, no Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal. 

Em parceria com a Secretaria de Educação de Indaial, a pesquisadora aplicou o projeto nas escolas Encano Baixo Rudolfo Alfarth e Juvenal Carvalho, locais onde também foram instaladas armadilhas do tipo Adultrap®, capazes de capturar a fêmea do mosquito Aedes aegypti. A espécie é a principal responsável por infectar as pessoas com a febre amarela em áreas urbanas.

Os estudantes assistiram a uma aula sobre o tema, participaram de um jogo de perguntas e respostas e receberam, ao fim do encontro, um kit com dois frascos para coletar mosquitos em suas próprias residências. Os insetos capturados nas escolas foram entregues à mestranda e serão analisados em laboratório, junto às demais amostras coletadas, também, no Parque Municipal Jorge Hardt.

Os resultados obtidos com o estudo serão disponibilizados para ações de vigilância epidemiológica do Sistema Único de Saúde (SUS), auxiliando em estratégias de controle e/ou prevenção efetivas contra as doenças transmitidas por vetores.

Além de Indaial, o projeto já foi aplicado na cidade de Mafra e irá abranger, ainda, os municípios de Joinville e Criciúma. Os locais foram escolhidos com base em dados fornecidos pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive) sobre epizootias nas cidades de Santa Catarina, ou seja, ocorrência de febre amarela em população animal (macacos).

O projeto tem investimento da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc), por meio do Edital de Chamada Pública nº 16/2020, do Programa Pesquisa para o SUS: Gestão Compartilhada em Saúde (PPSUS). 

Assessoria de Comunicação da Udesc Lages*
Jornalista Tatiane Rosa Machado da Silva
E-mail: tatiane.silva@udesc.br
Telefone: (49) 3289-9130 

*Com informações da Prefeitura de Indaial